14/08/2022

Você sabia que a microbiota intestinal tem um papel fundamental na manutenção da nossa saúde? Por conta disso, nos últimos tempos, inúmeras pesquisas estão tentando entender a relação entre a vitamina D e o intestino, para avaliar se esse micronutriente impacta positivamente nesta parte do nosso organismo.

A função mais conhecida da vitamina D tem a ver com o intestino, que é a absorção do cálcio e consequentemente a formação óssea. Mas além deste, pesquisadores vêm mostrando que ela pode ter outros papéis benéficos associados a esse órgão.

Quer descobrir na prática a relação entre a vitamina D e o intestino e a sua importância para uma microbiota saudável? Confira abaixo!

Qual é a relação entre a vitamina D e o intestino?

A ação mais conhecida da vitamina D está diretamente ligada ao intestino, afinal a sua principal função é a de aumentar a absorção intestinal do cálcio, participando do transporte ativo deste íon¹.

Ao contribuir com esse processo, a vitamina D acaba sendo essencial para o fortalecimento de ossos e dentes, podendo evitar doenças como raquitismo, osteoporose, câncer, problemas cardíacos, diabetes e hipertensão².

Apesar de os papéis mais conhecidos e estudados da vitamina D estarem vinculados ao metabolismo ósseo³, nos últimos anos, as pesquisas envolvendo este micronutriente para demonstrar outras funções cresceram muito4.

Um grupo delas tem conexão com o sistema imunológico. Muitos desses trabalhos têm constatado que os níveis suficientes de vitamina D são efetivos na prevenção de algumas doenças autoimunes4.

Sugere-se inclusive que este micronutriente não só possa prevenir o desenvolvimento dessas enfermidades como também pode ser usado no seu tratamento¹.

A sua suplementação tem se mostrado uma solução terapêutica efetiva em situações como artrite induzida por colágeno, diabetes melito tipo 1 e doença inflamatória intestinal¹.

Mas e em pessoas sadias, sem doenças crônicas e autoimunes, será que a vitamina D faz bem para o intestino?

Pensando justamente nesta questão, novas pesquisas começaram a tentar entender a relação da vitamina D com o intestino e se ela favorece uma microbiota saudável. Quer saber como isso influencia no seu bem-estar? Confira abaixo!

Por que a vitamina D é importante para o intestino?

Para compreender a importância da vitamina D para o intestino, primeiro você precisa aprender qual é a relevância da nossa microbiota intestinal para o nosso corpo.

Também conhecida como flora intestinal, ela é formada por bactérias, vírus e outros micróbios que vivem no nosso trato digestivo e tem um papel crucial na regulação da nossa saúde e no risco de doenças5.

Esses organismos que vivem no nosso trato gastrointestinal nos ajudam a digerir alimentos, produzir vitaminas e proteger esse órgão contra agentes agressores6. Ou seja, já deu para ver a relevância dela, não é mesmo?

Tá, mas e a relação da microbiota intestinal e a vitamina D? Bom, algumas pesquisas recentes começaram a tentar entender se a quantidade adequada deste micronutriente interfere positivamente no intestino e as descobertas foram muito favoráveis!

Os níveis de vitamina D podem afetar a microbiota intestinal?

Para começar, um estudo brasileiro divulgado internacionalmente na revista Metabolism sugeriu que os níveis de vitamina D circulantes no organismo podem influenciar positivamente o perfil da microbiota intestinal, e consequentemente diminuir o risco de desenvolver doenças cardiovasculares e metabólicas7.

Para essa investigação, foram avaliados os dados de 150 voluntários entre 20 e 30 anos, sendo 91% do sexo feminino7.

O que foi demonstrado é que há uma associação maior entre a vitamina D e bactérias como as chamadas bifidobactérias, classificadas como probióticos e que favorecem uma flora intestinal mais saudável e que também ajudam a controlar o crescimento de bactérias nocivas, além de minimizar os sintomas de alergias e infecções7.

Outro estudo feito com o público feminino, dessa vez com 80 mulheres sadias, mas que possuíam deficiência de vitamina D, analisou a sua microbiota intestinal antes e depois da suplementação8.

O resultado foi um aumento significativo da diversidade da microbiota intestinal, graças à vitamina D, e também a ampliação de probióticos positivos para a saúde8.

Mas e o público masculino? Dessa vez, uma pesquisa com 567 homens mais velhos mostrou que a composição da microbiota intestinal de uma pessoa está ligada aos seus níveis de vitamina D5.

A principal descoberta foi que a diversidade da flora intestinal estava intimamente associada à vitamina D ativa5.

Resumindo: a importância da vitamina D para o intestino é que aparentemente ela pode contribuir com uma microbiota diversa e vigorosa e consequentemente nos ajudar a ter mais saúde no nosso dia a dia.

Suplementação de vitamina D

Como você viu, uma das pesquisas apontou os efeitos positivos da suplementação da vitamina D na microbiota intestinal de mulheres sadias, mas que não possuíam níveis satisfatórios deste micronutriente.

Mas quem precisa suplementar a vitamina D? De acordo com as recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a suplementação é indicada para pessoas com risco elevado de apresentar índices baixos deste micronutriente³, entre elas estão:

  • gestantes
  • idosos com histórico de fraturas
  • obesos
  • pacientes com doença renal crônica
  • pacientes com síndromes de má-absorção (fibrose cística, doença inflamatória intestinal, doença de Crohn)
  • pacientes com raquitismo/osteomalácia, osteoporose e hiperparatiroidismo secundário.

Outro ponto a ser levado em consideração é o nosso estilo de vida atual, que não facilita a exposição solar adequada para a síntese apropriada de vitamina D, pois passamos a maior parte do tempo em ambientes fechados.

Por isso, a baixa exposição ao sol passou a ser um fator de risco altamente prevalente na maior parte da população.

Ainda de acordo com a SBEM, a hipovitaminose D constitui um problema de saúde pública em todo o mundo, podendo acometer mais de 90% dos indivíduos em certas populações³.

Por conta disso, o uso de suplementos alimentares pode ser necessário para assegurar a vitamina D que o corpo precisa. Se você acha que faz parte desse grupo, busque um médico para receber uma orientação profissional.

Entre as opções que ele pode prescrever está Addera, a vitamina D número 1 do Brasil9 e a mais recomendada pelos médicos no país10.

Conheça Addera D3, 1000 UI, um suplemento alimentar que auxilia o funcionamento do sistema imune e muscular e que ajuda o seu corpo a enfrentar os desafios do dia a dia!

 

Referências bibliográficas: