14/08/2022

Osuplemento de vitamina Dé utilizado para garantir a adequação dos níveis deste nutriente essencial ao organismo.

A vitamina D:

  • é fundamental para a absorção do cálcio
  • atua no estímulo de células ósseas, contribuindo para a formação de ossos e dentes saudáveis
  • tem papel nos mecanismos de força muscular e equilíbrio
  • atua na resposta imunológica, auxiliando na proliferação de células de defesa e ajudando a controlar a liberação exagerada de substâncias inflamatórias.

Apesar de ser chamada de vitamina, ela é considerada umpré-hormônio, podendo também ser produzida pelo próprio organismo, pormeio dasíntese cutâneacom aexposiçãosolar.Além disso, ela está presente em alguns alimentos ¹.

Porém, alguns fatores (climáticos, desaúde, etc.) podem prejudicar a manutençãode vitamina D no organismo, levando a baixas taxas no sangue e a impactos em sua saúde ².

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), quadros de inadequação das taxas de vitamina D podem acometer mais de 90% dos indivíduos em certas populações, sendo considerada um problema de saúde pública mundial¹.

A suplementação surge então como forma de reverter esse déficit nutricional, além de ajudar na manutenção desse importante nutriente para o corpo humano.

Mas quando é necessário utilizar umsuplemento de vitamina D? Como tomá-lo? Continue acompanhando para descobrir!

O suplemento de vitamina D é realmente necessário?

Antes de continuarmos, precisamos reforçar que é possível obter esse nutriente naturalmente, por meio da exposição solare tambémde algumas fontes alimentares.

Porém, como veremos adiante, alguns fatores podem fazer com que essas fontes naturais não sejam suficientes e, por isso, você pode precisar de umsuplemento de vitamina D. Confira a seguir!

1 - Condições de saúde que aumentam o risco de baixas taxas de vitamina D

Atualmente, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) indica a suplementação preventiva de vitamina D para pessoas que possuem risco de deficiência desse nutriente ¹, entreeles:

  • gestantes, porque geralmente são orientadas a evitar a exposição solar
  • idosos, principalmente aqueles com histórico de fraturas
  • obesos (geralmente possuem vitamina D mais baixa do que não obesos e isso pode se agravar ainda mais após cirurgia bariátrica)
  • pessoas com pele escura (a melanina atua como barreira para a radiação UVB)2
  • pacientes com doença renal crônica
  • pacientes com síndromes de má-absorção (fibrose cística, doença inflamatória intestinal, doença deCrohn)
  • pacientes com raquitismo/osteomalácia, osteoporose ehiperparatiroidismosecundário.

 

2 - Dificuldade em expor-se ao sol ou fatores que atrapalham asíntese cutânea

O sol é imprescindível para a vitamina D. Em países com boa incidência de radiação solar, 90% a 95% desse nutriente pode ser obtido pela síntese cutânea2.

Para tanto, é necessário expor-se ao sol de 10 a 15 minutos, todos os dias, com braços e pernas descobertos, e protegendo partes mais sensíveis como o rosto ³.

Não é indicado exagerar na exposição, já que o melhor sol para vitamina D (10h às 16h) é também o mais associado ao envelhecimento precoce e outros problemas na pele4.

Porém, atualmente, o estilo de vida não favorece a exposição solar adequada para a síntese de vitamina D, com a maioria das atividades sendo realizadas em ambientes fechados durante todo o dia.

Além disso, alguns outros fatores influenciam a &ldquoqualidade&rdquo dos raiosUVB para a produção de vitamina D pela pele2:

  • ouso de protetores solares (imprescindíveis no dia a dia para evitar lesões pela exposição excessiva ao sol)
  • condições climáticas e ambientais - localização geográfica, poluição, estação do ano etc.

Há também aqueles indivíduos com contraindicação clínica a tomar sol, como no caso de pessoas com câncer de pele, transplantadas ou com lúpus eritematoso sistêmico ¹.

Quando esses fatores influenciam e não é possível manter bons níveis de vitamina D no organismo, osuplemento alimentar com vitamina Dgeralmente é recomendado.

3 - Fontes alimentares escassas

Aqui está outro motivo que explica a necessidade do uso dosuplemento de vitamina D: fontes alimentares podem suprir apenas cerca de 20% das necessidades do organismo2.

Apesar de estar presente em alimentos como alguns peixes gordurosos (salmão, sardinha, cavala etc.)e tambémno ovo.De acordo com a SBEM, não é possível obter o aporte diário necessário de vitamina D apenas pela alimentação3.

Isso porque, a maioria das fontes alimentares não estápresente no cardápio diário e, mesmo alimentos com maior quantidade de vitamina D por porção (salmão selvagem: 600 - 100 U.I.),demandaria uma ingestão diária para garantir doses adequadas.

Veja a tabela com a quantidade de vitamina D por porção presente em cada alimento:

 class=
Fonte: Adaptado de Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

Como fazer suplementação de vitamina D?

Agora você já sabepara que serve o suplemento de vitamina De quando é necessário suplementar, também é importante falarmos sobrecomo tomar o suplemento de vitamina Dde forma responsável.

As doses de manutenção de vitamina D preconizadas pela SBEM são consideradas seguraspara a população em geral: entre 400a2000 U.I / dia para adultos e 400 a1000 U.I / dia para crianças¹.

Veja a tabela com as indicações de doses de manutenção diária, retirada dodocumento de recomendações da SBEM:

 class=

O cálculo daquantidade deUI de vitamina Dque deve ter a suplementação depende da condição de saúde de cada pessoa e do objetivo a ser atingido com a suplementação ¹:

  • se é apenas paramanutenção desse nutriente no organismo
  • para o tratamento dos baixos níveis de vitamina D,
  • ou como doses preventivas.

De maneira geral, quando a vitamina D está muito baixa (menor que 20ng/mL), um esquema de ataque pode ser necessário para repor osestoques corporais. Normalmente são usadas doses mais altas por período de 6-8 semanas ¹.Esse tratamento é, obrigatoriamente, prescrito por um médico.

A resposta ao tratamento geralmente é avaliada ao final desse esquema, para verificar se a meta foi alcançada ou se um novo ciclo deve ser iniciado ¹.

Quando a concentração de vitamina D no organismo estiver estável, doses de manutenção devem ser estabelecidas, variando de acordo com a faixa etária e com as condições de saúde de cada pessoa, como mostramos no tópico anterior. O objetivo é evitar que os níveis caiam novamente ¹.

Porém, também há casos em quepessoas utilizam suplementos de vitamina D paramanter a adequação de ingestão diária recomendada.Casos, por exemplo,emqueelaspassam a maior parte do dia em ambientes fechados erecebem pouca luz solar.

Como dissemos, as doses de manutenção de vitamina D preconizadas pela SBEM são consideradas seguras para a população em geral¹.

Falando nisso,você já conheceAddera,a vitamina D número 1 do Brasil5e a mais recomendada pelos médicos no país6?

Conheça nossa linhaAddera+, composta porsuplementos de vitamina Dmais diversas vitaminas e minerais que auxiliam sua saúde e ajudam seu organismo a enfrentar os desafios do dia a dia!

 

Referências bibliográficas: